09
Abr 11

 

Foi com o pé bem fundo na tábua que o Benfica decidiu procurar chegar às meias-finais da Liga Europa. E em apenas noventa minutos colocou-se bem perto do destino, ainda que um pequeno furo (de Roberto) tenha atrapalhado ligeiramente as contas da escala em Eindhoven.

Saviola corrigiu o percalço e o Benfica ainda garantiu um avanço bem confortável nesta viagem pelo continente. A fama do futebol de ataque é holandesa, mas desta vez foi uma equipa portuguesa a inclinar o campo, em mais uma grande noite europeia na Luz.

 


Talvez «escaldado» por ter estado em desvantagem nos últimos seis jogos caseiros, desta vez o Benfica não perdeu tempo. Entrada autoritária, com ritmo elevado, a encostar o adversário às cordas. Aproveitando a dificuldade dos centrais do PSV para acertar a marcação à dupla atacante do Benfica, Saviola apareceu muitas vezes solto na fase inicial. «El Conejo» atirou ao poste logo aos sete minutos, para pouco depois desviar a mira escassos centímetros, com um cruzamento-remate que saiu muito perto do poste (9m).

A equipa holandesa só respirou um pouco melhor quando o técnico Fred Rutten pediu que a linha defensiva jogasse mais adiantada no terreno. Foi nessa altura que Marcus Berg ficou muito perto do golo, ao cabecear ligeiramente ao lado na sequência de um cruzamento de Dzsudzák (20m). Foi a única vez que o PSV chegou à baliza do Benfica na primeira parte.

 


Assim que se adaptou à mudança estratégica do adversário, a equipa de Jorge Jesus voltou a atirar-se de cabeça em busca do golo. A definição das jogadas é que nem sempre era a melhor, ainda que o remate de Cardozo, aos 30 minutos, só não tenha dado golo devido à bela intervenção de Isaksson. Já Gaitán só se pode queixar de si, por não ter conseguido desviar para a baliza um remate torto de Saviola (31m). O público da Luz estava cada vez mais perto de festejar, e ao minuto 33 até teve direito a ensaio-geral, quando um golo de Cardozo foi anulado por fora-de-jogo.

  

Quatro minutos depois a festa foi a valer. Coentrão e Gaitán combinaram bem na esquerda, e após um remate falhado de Cardozo apareceu Pablo Aimar, a rematar para o fundo da baliza. A premiar um primeiro tempo de elevado nível, o Benfica ainda chegou ao segundo golo antes do descanso. Coentrão de novo na jogada, a cruzar para uma conclusão fantástica de Salvio.

 


Decidido a não abrandar, o Benfica encarou a etapa complementar com a mesma mentalidade ofensiva, e logo aos sete minutos chegou ao terceiro golo, novamente por intermédio de Salvio. Na cabeça de Saviola esteve a goleada, pouco depois, mas um corte providencial de Manolev evitou o quarto golo benfiquista (64m).

Embora seja difícil criticar quem ataca assim, a verdade é que o Benfica arriscou tempo de mais, para quem está numa eliminatória europeia. Por estranho que pareça, foi em contra-ataque que o PSV criou perigo. Um deslize de Roberto (mais um), a dez minutos do fim, ameaçou reabrir a discussão da eliminatória.

Valeu um golo de Saviola, já em período de descontos (enorme coração de Maxi), a recuperar uma vantagem de três golos que deixa a eliminatória praticamente sentenciada.

 

 

Ficha de jogo

 

Jogo no Estádio da Luz, em Lisboa.

 

Ao intervalo: 2-0.

 

Resultado final: 4-1.

 

Marcadores:

 

1-0, por Pablo Aimar, 37 minutos.

2-0, por Salvio, 45 minutos.

3-0, por Salvio, 52 minutos.

3-1, por Labyad, 80 minutos.

4-1, por Saviola, 90 minutos.

 

Equipas:

 

S.L.Benfica: Roberto, Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Fábio Coentrão, Javi García, Salvio, Pablo Aimar (César Peixoto, 78), Nicolás Gaitán (Franco Jara, 78), Saviola e Óscar Cardozo (Felipe Menezes, 90).
(Suplentes: Júlio César, Sidnei, Alan Kardec, Franco Jara, Luis Filipe, Felipe Menezes e César Peixoto).

 

PSV Eindhoven: Andreas Isaksson, Manolev, Marcelo, Wilfred Bouma, Erik Pieters (Stijn Wuytens, 72), Atiba Hutchinson, Orlando Engelaar, Lens, Otman Bakkal, Dzsudzsak e Marcus Berg (Labyad, 79).
(Suplentes: Cássio, Zeefuik, Labyad, Vukovic, Francisco Rodríguez, Stijn Wuytens e Nijland).

 

Árbitro: Paolo Tagliavento (Italia).

 

Acção disciplinar:

Cartão amarelo para Orlando Engellar (54), Erik Pieters (68) e Javi García (85).

 

 

Declarações

 

Salvio: “Estamos bem e conseguimos o nosso objectivo que era a vitória. Agora vamos seguir passo a passo para continuar até à meia-final”.

 

 

Fábio coentrão: “A eliminatória não está arrumada, mas demos um grande passo rumo às meias-finais. Fizemos um bom jogo e toda a equipa respondeu bem após a derrota de domingo”, “O estádio esteve cheio e estes adeptos merecem uma vitória como esta. Esperamos continuar a contar com apoio deles até ao fim”, “Ver o estádio cheio dá-nos muita força. Terem estado 60 mil pessoas na Luz é obra e agora só nos resta agradecer com vitórias em todas as competições em que estamos inseridos”.

 

 

Jorge Jesus: “Pedir mais é impossível. Fizemos um excelente jogo e estivemos mais perto do 4-0 do que do 3-1, mas, infelizmente, foi o que aconteceu. Todavia, levantámos a cabeça e fomos à procura do 4.º golo, deixando a eliminatória mais folgada. Vencemos a 1.ª parte da eliminatória, agora resta-nos vencer a 2.ª parte”, “A formação do PSV é uma das equipas com mais golos marcados nos campeonatos europeus. É criativa, gosta de sair a jogar, mas o Benfica esteve muito bem tacticamente e não os deixou explanar o futebol que pretendiam”,
 “Vamos à Holanda com uma vantagem de três golos e dificilmente não faremos golos no jogo fora, mas nada está resolvido”, “Quero deixar um agradecimento especial aos nossos adeptos que hoje marcaram presença em massa e estiveram sempre connosco. Os nossos jogadores têm muita força quando são apoiados como foram neste encontro".

 

publicado por aguiavitoria às 15:02

Os Mandamentos de Jesus - www.wook.pt
Contador
Web Site Hit Counters
stats counter
Globo localizador
Contagem Universal
free counters
mais sobre mim
blogs SAPO